PT:Micronation

From NovaRoma
Jump to: navigation, search

 Home| Latíné | Deutsch | Esperanto | Español | Français | Italiano | Magyar | Português | Română | Русский | English

Micronações são a menor forma de nação oficial. Normalmente, são nações que possuem um pequeno território ou até mesmo não o possuem, mas que reclamam, para sua soberania, independência e território. A maioria não é reconhecida pela maior parte dos países do mundo.

Na maioria dos casos, micronações são tentativas de fundar novos países. Eles normalmente declaram domínio sobre terras que existem realmente. Às vezes, ilhas pequenas e isoladas; outras vezes são áreas não desenvolvidas dentro de países maiores. Como outros países, muitas micronações proclamaram declarações de independência, adotaram constituições, procuraram por reconhecimento diplomático, indicaram embaixadores, possuem bandeiras nacionais, selos de correio, passaportes e moeda corrente.

Há muitos tipos de micronações, que vão desde pequenos Estados estabelecidos em territórios, como a Ilha de Antígua, com uma população de apenas alguns milhares de pessoas. A maioria de micronações recaem sobre uma das seguintes categorias:

Contents

ESTADOS ESTABELECIDOS

Estas micronações são freqüentemente chamados de "micro-Estados". Eles realmente possuem seus próprios territórios onde são soberanos, e são reconhecidos como independentes por um ou mais países. Micronações estabelecidas incluem pequenas ilhas independentes, como Antígua, e a Cidade do Vaticano, que conta com uma área de apenas 108 acres de terras soberanas. A maioria das micronações de outras categorias procuram atingir o status de Estados estabelecidos, com território, de forma a se enquadrarem nessa classe.

ESTADOS EXILADOS

Estes são micronações que têm um governo, mas perdera, suas terras. Tais Estados foram reconhecidos como "estabelecidos" em algum ponto do passado, tiveram suas próprias terras, e ainda podem ser reconhecidos oficialmente por diversos países. Um exemplo conhecido de micronação desta classe é o governo do Tibete, sob o comando de Dalai Lama. Micronações "exiladas" podem ser extremamente viáveis... durante a II Guerra Mundial, o governo da França existiu como uma micronação, consistindo de uma facção organizada que havia perdido suas terras com a invasão alemã.

POVOS NÃO-RECONHECIDOS

Estas micronações são facções raciais, políticas ou sociais que pedem reconhecimento de independência e/ou status de "nações" completas, geralmente porque suas necessidades não são encontradas nas situações político-nacionais existentes. Os tipos mais freqüentes de "povos não-reconhecidos" nunca tiveram um núcleo de governo, ou fundaram um novo sistema de governo para substituir um governo que acabou em algum lugar da história. A maior parte dos grupos indígenas pode se encaixar nessa categoria. Um ótimo exemplo de "povo não-reconhecido" é o atual Estado de Israel, que foi fundado após a II Guerra Mundial para retornar o povo hebreu às suas terras tradicionais, mesmo que o governo de Israel tenha se dissolvido por séculos antes disso.

ESTADOS-MODELO

Estas micronações são experiências em ciência política. Elas vão desde tentativas práticas de fundar uma nova nação real até cenários teóricos e hipotéticos. Mais freqüentemente, Estados-modelo são tentativas "semi-sérias" de formar novos governos. Elas normalmente existem como um sistema governamental funcional de várias pessoas, com reivindicação de terras existentes e tentam manifestar status e reconhecimento de soberania. Um exemplo ótimo do perfil de um Estado-modelo é a Nação de Oceana, que foi uma tentativa de colonizar plataformas oceânicas abandonadas fora da costa britânica. Oceana produziu seu próprio dinheiro, emitiu passaportes e realmente mantinha acordos para ser reconhecida por alguns países da ONU.

ESTADOS IMAGINÁRIOS

Estes são certamente as nações-modelo menos sérias, que não têm objetivos de estabelecer um status de nação "real". Eles são normalmente cenários fantasiosos, que geralmente possuem "história", governo, língua e territórios fictícios. Às vezes Estados imaginários acabam se tornando um role playing game, do qual muitas pessoas podem participar. Um exemplo muito conhecido de Estado imaginário é mantido pela Sociedade para o Anacronismo Criativo, que promove torneios e RPG com personagens medievais.

Muito poucas novas nações de verdade se criam no mundo moderno. Ocasionalmente, nações são "reorganizadas" ou se tornam independentes, mas há excessões extremas. Basicamente toda a terra do mundo está sob controle de nações já existentes, que têm políticas oficiais contra a perda de suas terras soberanas.

Micronações em geral existem como um compromisso entre a vontade das grandes potências mundiais, e os desejos das pessoas que querem sua nacionalidade separada. São normalmente tentativas pacíficas de manifestar independência soberana sem interferir nas nações existentes ou nas situações internacionais. A maioria das micronações são toleradas, mas oficialmente ignoradas pela maioria dos países e governos do mundo, e existem substratos da organização humana que possuem pouco menos do que status de "nação reconhecida".

Personal tools